Araucária

Caminhoneiros liberam entrada de refinaria e acaba o risco de desabastecimento

O protesto que bloqueava desde a noite de domingo (10) a entrada da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, na região metropolitana de Curitiba, terminou na noite desta segunda-feira (11) e os caminhões-tanque puderam sair para abastecer postos de combustíveis em toda a região. A expectativa é que o abastecimento se normalize ainda na manhã desta terça-feira (12). Duas viaturas da Polícia Rodoviária Federal garantiram a saída dos caminhões. Ontem, o protesto bloqueou a entrada dos caminhões de abastecimento das empresas Raízen, BR e Ipiranga, que distribui 23 milhões de litros de combustíveis por dia. Alguns postos de Curitiba e região Metropolitana ficaram sem gasolina ou etanol. Caso o protesto continuasse, havia o risco de desabastecimento.

A interdição fazia parte do protesto de um grupo de pessoas sem nenhuma ligação sindical. O protesto acabou de forma pacífica. De acordo com Rubio Tercila,  um dos organizadores do movimento, o protesto desta segunda-feira foi nacional e começou na semana passada. “Nossa mobilização tem como foco o Brasil como um todo, a defesa do território nacional e um repudio ao extremo aos governos do Brasil. A classe político-partidária, que usurpou e sequestrou o poder do estado. Referente a uma legislação totalmente fraca, que não pune rigorosamente e não devolve de forma coerente o que, digamos, o crime organizado no poder do Brasil realiza contra o povo brasileiro e o território nacional”, disse.

O empreiteiro de obras, José Carlos Souza, abasteceu seu carro na manhã desta terça-feira sem problemas. Para ele, só vale este tipo de protesto se, de fato, provocar uma redução no preço dos combustíveis. “Este tipo de protesto preocupa porque a gente depende do carro pra trabalhar, mas que o combustível está caro, com certeza. O litro da gasolina passou de 4 reais. Só valeria um protesto deste com todo o transtorno se de fato o preço caísse. Do contrário, a gente só acaba sendo ainda mais prejudicado”, afirmou.

Ontem, alguns postos de Curitiba e região relataram falta de gasolina, principalmente. Outros ficaram com o estoque baixo. Mas, segundo o Sindicombustíveis-PR, sindicato que representa os postos de todo o estado, não houve o risco de desabastecimento geral em Curitiba.

Tercila admitiu que o  protesto ocorreu justamente para causar falta de combustível para os veículos. “Queremos que falte combustível em geral para que os cidadãos entendam que precisam parar o Brasil junto conosco”, concluiu.

Além da Repar, mobilizações aconteceram nos portos de São Francisco (SC) e Santos (SP).

Em nota, o Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis do Paraná (Sindicombustíveis-PR) informou que é contrário a este tipo de manifestação, que penaliza consumidores, empresários e a sociedade como um todo, uma vez que cria dificuldades para o abastecimento de combustíveis, fundamentais para a movimentação da economia.

Não há a confirmação de novos protestos irão ocorrer nos próximos dias.

 

BANDAB

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.