BrasilParaná

Banco de sangue segue Anvisa e recusa doação de homossexual em Curitiba; doador se revolta

Uma negativa de doação de sangue no Hemobanco, no bairro Bigorrilho, revoltou um jovem homossexual nesta segunda-feira (22) em Curitiba. Thyago Cristian relatou à reportagem da Banda B que nunca tinha passado por uma situação como essa, uma vez que já conseguiu realizar a doação outras quatro vezes. O Hemobanco alega que a decisão tomada pela enfermeira é amparada na resolução n° 153 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que determina que homens estão inabilitados de doarem sangue ao terem relações sexuais com outros homens no período de 12 meses anteriores à data da coleta

De acordo com Thyago, ele passou por todos os pré-procedimentos normalmente, inclusive teve os níveis de glicose e pressão aprovados para a doação. “Após tudo isso, fui até a uma sala onde a última pergunta era relacionada à minha orientação sexual. Aqui tudo mudou e recebi a negativa com a amostra da resolução. Eu quis sair correndo dali após isso”, disse.

A enfermeira Márcia Bienarski confirmou a negativa por parte do Hemobanco e garantiu que todas as ações do banco de sangue seguem irrestritamente a portaria da Anvisa. “Essa é uma situação bem clara no documento e realmente pode gerar uma confusão no sentido de excluir determinado grupo, mas é necessário se pensar a lei. Talvez trazer sugestões para uma próxima portaria, mas de maneira nenhuma foi uma atitude errada de se seguir”, afirmou.

Para muitos especialistas, a lei pode ser considerada contraditória, uma vez que a portaria n° 1.353, também da Anvisa, determina que “a orientação sexual não deve ser usada como critério para seleção de doadores de sangue”.

Thyago ainda questiona a impossibilidade imposta em registrar a recusa, já que a enfermeira envolvida teria o impedido de fotografar o documento. “Ela me perguntou qual motivo colocaria ali, eu respondi homossexual, mas então ela explicou que a situação não é válida para lésbicas. Daí fica a minha pergunta, mais vale minha sexualidade que salvar vidas”, questionou.

Inconstitucional

Para a advogada Melina Fachin, da Universidade Federal do Paraná, a resolução citada pelo Hemobanco é inconstitucional, pois afronta o princípio de igualdade. “Sem a menor dúvida houve discriminação nessa tentativa de doação e, infelizmente, é bastante comum encontrar coisas assim institucionalizadas. A resolução assume uma posição de discriminação exclusivamente vinda da orientação sexual. E é ainda mais complicado discutirmos isso quando o ato é de solidariedade”, comentou.

Segundo a doutora Fachin, o risco na doação vem de sexo sem proteção e assumir que o homossexual possui um risco maior ao doador é uma inverdade. “Dados recentes mostram que não só homens homossexuais contam como grupo de risco. O último boletim do Ministério da Saúde, que é datado de 2012, mostra que entre homens do risco, 45,5% são heterossexuais. Então é uma afronta ao que a realidade mostrou”, explicou.

Se Thyago se sentiu lesado de alguma forma, ele pode procurar o poder judiciário para buscar uma eventual reparação por danos morais. O Boletim de Ocorrência contra o Hemobanco foi registrado na Delegacia de Pinhais.

Banda B

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Tags

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.