Brasil

Bancários devem recusar reajuste e entrar em greve em outubro

Os bancários devem recusar em assembleias previstas para a próxima quinta-feira (1.º) a proposta de reajuste abaixo da inflação feita pela federação dos bancos e marcar greve a partir do dia 6 de outubro.

A negociação ocorreu nesta sexta (25) com o Comando Nacional dos Bancários, que indicará a rejeição da contraproposta nas assembleias que serão realizadas em todo o país.

A proposta dos bancos prevê 5,5% de reajuste com R$ 2.500 de abono fixo. A categoria pede reajuste salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real e 9,88% referentes à perda da inflação.

Pelos cálculos do Sindicato dos Bancários, a “perda real de 4%” significa que um bancário que recebe o salário médio da categoria iria perder no ano R$ 1.983 em relação a uma proposta que apenas cobrisse a inflação.

Segundo Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo e uma das coordenadoras do comando nacional, esse foi o pior índice oferecido pelos bancos desde 2004.

São mais de 500 mil bancários no Brasil, sendo 142 mil representados pelo sindicato em São Paulo, Osasco e região.

A categoria recebeu aumento real de 20,07% no período entre 2004 e 2014. No ano passado, foram 2,02% acima da inflação.

PERDA REAL

“Perda real não é condizente com os resultados dos bancos, que tiveram lucro líquido de R$ 36,3 bilhões nos últimos seis meses. As instituições financeiras estão colocando a categoria em greve de forma irresponsável, ao mesmo tempo que cobram juros de mais de 400% no cartão de crédito, prejudicando toda a população”, disse a sindicalista.

“Haverá assembleia dia 1º em todo o país e vamos indicar a rejeição da proposta. Até lá, a Fenaban tem prazo para apresentar uma proposta condizente com os ganhos bilionários dos bancos para os trabalhadores”, completou.

Procurada, a federação dos bancos ainda não se pronunciou sobre as negociações e a ameaça de greve.

Os bancários, com data-base em setembro, entregaram a pauta de reivindicações no dia 11 de agosto. Entre as principais reivindicações da campanha deste ano pedem reajuste salarial de 16%, sendo 5,6% de aumento real, com inflação de 9,88% (INPC); Participação nos Lucros e Resultados no valor de três salários mais R$ 7.246,82 fixos; piso de acordo com salário mínimo do Dieese, de R$ 3.299,66; vales alimentação, refeição, 13.ª cesta e auxílio-creche/babá no valor do salário mínimo nacional (R$ 788); 14.º salário; fim das demissões, ampliação das contratações, combate às terceirizações e à precarização das condições de trabalho; e mais segurança nas agências bancárias

 

Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.