Brasil

AUMENTO: Escassez no campo encarece salada mista

Nos últimos meses, o consumidor não tem digerido com facilidade a tradicional salada mista. O motivo de o prato estar indigesto, apesar de extremamente saudável, é o preço das verduras e legumes, que estão pesando no bolso da população. Itens como cebola, batata-salsa, chuchu e beterraba registraram, de acordo com acompanhamento da Secretaria Estadual da Agricultura e do Abastecimento (Seab), aumento acima da inflação este ano.

Em alguns casos, os reajustes foram estratosféricos. Caso da cebola, que saltou 305% nos últimos 12 meses — considerando apenas o primeiro semestre deste ano, o aumento foi de 297%. O chuchu aparece em segundo lugar, com inflação de 64%, seguido pela batata-salsa (61%) e a beterraba (60%). Pimentão, pepino, couve-flor, cenoura, entre outros alimentos, também tiveram aumento das cotações ao produtor.

O salto nos preços dos alimentos que compõem a salada mista tem explicação em vários fatores. De acordo com Valério Borba, consultor técnico do Ceasa, reajustes de tarifas, como da energia elétrica, do combustível e do pedágio, pesaram na equação. Além disso, no caso específico da cebola ainda ocorreu “a queda na safra dos principais produtores e o atraso da colheita no Nordeste”, justifica Borba.

No varejo, o quilo do produtor, de acordo com tabela da Seab, começou o ano em R$ 2 e já chegou, em junho, a R$ 6. “A saída é segurar um pouco, arranjar um substituto”, recomenda o engenheiro agrônomo e coordenador estadual de Olericultura do Instituto Emater, Iniberto Hamerschmidt. “Acredito que dentro de um mês o preço venha a baixar”, complementa.
O agricultor João Paulo Staron, do município de Contenda, na Região Metropolitana de Curitiba, culpa o forte calor registrado no ano passado e o excesso de chuva durante a colheita pelo comprometimento da safra. “[Esses fatores] prejudicaram a qualidade da cebola e, consequentemente, seu armazenamento correto.”

Com menos tempo para deixar estocado o produto sem risco de apodrecimento, a saída encontrada pelos agricultores foi vender o quanto antes para evitar perdas. Com o aumento súbito de preço, a maioria aproveitou para colocar as verduras e legumes nos mercados, reduzindo significativamente os estoques nos últimos dois meses. Com o atraso na produção do Nordeste, de São Paulo (causada pela seca) e da Argentina, o que atrasou a entrada de uma nova remessa, os preços continuaram subindo.

Mudança de cultura

Segundo Marco Antonio Gonçalves, presidente da cooperativa Cootenda, região tradicional produtora de cebola, outro problema foi a debandada dos agricultores para a soja, em função das boas cotações da commodity. “Os maiores foram todos para a soja. Só sobraram os pequenos”, afirma.

Das 186 famílias associadas à cooperativa, “nem 50” plantaram cebola ano passado, ressalta Gonçalves. Nos anos anteriores, todas dedicavam pelo menos um espaço para o plantio do tubérculo. “Hoje não tem nem para o nosso programa de merenda escolar. Estamos há dois meses sem cebola.”

Os mesmos fatores climáticos que atrapalharam a cebola em São Paulo também interferiram na safra de chuchu, que normalmente fica no mercado entre novembro até o início do inverno. Mas que este ano, a partir de abril já estava escasso por causa da estiagem.

Já a cenoura, explica Hamerschmidt, tem o plantio de uma cultura adequada para um clima mais frio feito a partir de abril. Por isso, “daqui a uns dias terá um preço melhor”, projeta.

Agro Negócio Gazeta do Povo

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.