Araucária

Araucária intensifica ações de combate à sífilis

O Brasil nos últimos anos vem registrando um aumento considerável da sífilis e consequentemente o aumento da sífilis congênita. Em Araucária não é diferente, desde 2013 a cidade vem intensificando as ações de diagnóstico, tratamento e monitoramento deste agravo. De janeiro a setembro deste ano foram realizados pela Secretaria Municipal de Saúde de Araucária 3537 testes rápidos para sífilis, sendo que destes, 119 testes tiveram resultado reagente para sífilis.

De acordo com a coordenadora do Serviço de Orientação à Aids de Araucária (SOA), Cleonice Aparecida Oliveira, muito se avançou na cidade, mas ainda há um longo caminho a se trilhar. “É momento de uma grande mobilização envolvendo toda a rede de atenção da saúde e a participação da comunidade e rede civil é de extrema importância. Precisamos falar sobre o assunto com todos e em todos os lugares, buscar informações, realizar o teste, o tratamento correto e completo quando necessário”, ressalta.

A Sífilis é caracterizada na sua fase primária por feridas indolores nos órgãos genitais, ânus e boca. Depois de um tempo a ferida desaparece e a doença volta na forma de manchas pelo corpo, descamação na sola dos pés e palmas das mãos. Quando não tratada a sífilis pode causar cegueira, paralisia, doenças neurológicas, problemas de coração e levar a morte. É transmitida quando um dos companheiros tem a doença e não há utilização de preservativo durante as relações sexuais, ou da mulher grávida para o bebê durante a gestação.

Gestantes
O índice de transmissão da sífilis durante a gestação é alto, as chances do bebê pegar a doença são maiores que 70% se a mãe não fizer tratamento. O teste rápido para sífilis é recomendado na primeira consulta do pré-natal e também no 2º e 3º trimestre da gestação, no momento do parto e em casos de aborto. O parceiro sexual da mãe também deve realizar a testagem para sífilis e fazer o tratamento se necessário para que não haja recontaminação da paciente.

Comparativo – sífilis congênita
De acordo com dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinam), em 2015 foram registrados 2745 casos de sífilis congênita (passada de mãe para filho durante a gestação) no sul do Brasil, uma taxa de incidência de 6,9 a cada mil nascidos vivos. Em Araucária, em 2015, foram 12 casos notificados, um percentual de 4,9 a cada mil nascidos vivos, número que aumentou um pouco em 2016 e chegou ao índice de 5,8 a cada mil nascidos vivos, já que foram 8 casos registrados no período.

 

smcs

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.