Paraná

Acidentes com águas-vivas aumentam quase três vezes

O Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Paraná tem atuado em parceria com a Secretaria Estadual de Saúde para dar o atendimento qualificado aos banhistas que sofrem envenenamento por água-viva. Desde o início do Verão Paraná 2016/2017 – 22/12 – até esta segunda-feira (30/01) foram registrados pelo Corpo de Bombeiros 25.787 casos de envenenamento por água-viva contra 9.455 no mesmo período da temporada passada, quase três vezes mais. Somente em Matinhos foram 9.824 casos, em Guaratuba 4.827 e em Pontal do Paraná 11.100.

A porta-voz do Corpo de Bombeiros no “Verão Paraná 2016/2017”, tenente Virgínia Maria Zambrim Turra, orienta sobre os procedimentos iniciais no caso de envenenamento por água-viva. “O principal a fazer é lavar o local com a água do mar, sem esfregar, não utilizar água doce ou outros líquidos como bebidas alcoólicas, urina e azeite. Para tirar os restos das bolsas de toxinas que ficam é só jogar água do mar ou vinagre”, disse.

“Todas as vítimas de águas-vivas devem ficar em observação, seja adulto ou criança, para verificar se apareceram outros sintomas como tontura, vômito, desmaios, dificuldades respiratórias ou o famoso fechamento de garganta. Isso pode ser sinal de alergia ou uma intolerância maior ao veneno. Se surgir qualquer um destes sintomas a pessoa deve procurar um médico ou posto de atendimento”, explica a tenente Turra.

A diretora da 1ª Regional de Saúde, Ilda Nagafuti, destaca que o trabalho é feito em parceria com o Corpo de Bombeiros. “Disponibilizamos o material para que os guarda-vidas possam dar o primeiro atendimento e os casos mais graves são encaminhados a uma unidade de saúde. Em cada município, temos unidades preparadas para dar este tipo suporte ao paciente. Em Guaratuba temos o Pronto Atendimento Municipal, em Matinhos o Hospital Nossa Senhora dos Navegantes e em Pontal do Paraná são dois locais: Prontos Socorros de Shangri-lá e Praia de Leste”, explica.

De acordo com a bióloga e coordenadora da Divisão de Zoonoses e Intoxicações da Secretaria de Estado da Saúde, Tânia Portella, o fenômeno tem se tornado comum nos últimos anos e afeta também o litoral de Santa Catarina. “Isso se deve ao comportamento das correntes marítimas e também às condições favoráveis para a reprodução das águas-vivas. É importante lembrar que elas estão em seu habitat natural e somos nós que dividimos este espaço, sobretudo agora no verão”, ressaltou.

Segundo a bióloga, com mais banhistas na praia a tendência é que o número de casos de acidentes aumente. “O que podemos fazer é monitorar os locais de risco e preparar a estrutura para atender a demanda de vítimas”.

A Secretaria de Estado da Saúde também disponibiliza uma central telefônica 24h para orientar o cidadão sobre o que fazer em caso de acidentes com águas-vivas e outros tipos de envenenamentos/intoxicações. O Centro de Controle de Envenenamentos do Paraná atende pelo telefone 0800-410-148. A ligação é gratuita.

 

Bem Paraná

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.