ParanáPolícia

Abatedouro clandestino é fechado pela polícia e suspeita é que local abastecia restaurantes e mercados da Região

Um abatedouro clandestino foi fechado no fim da tarde de quarta-feira (28) no município de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba. A operação é conjunta entre a Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e a delegacia da cidade. Quatro pessoas que estavam no abatedouro no momento da operação foram levadas para a delegacia para prestar esclarecimentos, mas apenas um delas foi presa – o motorista. Os donos já foram identificados, mas ainda não foram encontrados pela polícia.

De acordo com o delegado Guilherme Rangel, da Delegacia de Crimes Contra a Economia e Proteção ao Consumidor (Delcon), o alerta sobre irregulares partiu de um policial rodoviário que passava pela região e notava a presença de muitos urubus.
“É uma história, inclusive, curiosa porque a investigação começou quando um policial rodoviário notou que na região havia muitos urubus, ele achou estranho, começou a conversar com o pessoal e uma pessoa fez uma denúncia de que em certo local havia um abatedouro clandestino”, contou, durante entrevista coletiva com a imprensa, na manhã de hoje (29).

O abatedouro funcionava há cerca de dez anos na região e abatia bezerros, sem fiscalização sanitária, nem alvará de funcionamento. As investigações duraram cerca de 40 dias e, além da prisão de uma pessoa, toda a carne irregular foi apreendida. “Ele compravam animais de outros lugares, que não eram para cortes, que tinham outras finalidades e matavam para revender para consumo”, disse o delegado. Somente na quarta-feira, o abatedouro clandestino tinha matado cerca de 22 animais nascidos há poucas semanas.

A origem das carnes, segundo as investigações, era mercados e grandes açougues da Grande Curitiba, que revendia a churrascarias. “Isso é tão grave que poderia culminar na morte dos consumidores porque era um local de fácil acesso à bactérias e outros organismos. As pessoas que compravam e revendiam ao consumidor também serão identificadas e punidas”, alerta Rangel.

Os donos do abatedouro já foram identificados, mas ainda estão em liberdade. O funcionário preso é um motorista e que fazia parte do esquema de maneira mais efetiva. Os locais que vendiam a carne estão sendo investigados e, em breve, a polícia afirmou que trará os nomes dos envolvidos.

A venda de mercadoria imprópria para consumo tem pena que vai de 2 a 5 anos de prisão. Eles podem responder também por crime ambiental, formação de quadrilha e também por condição análoga à escravidão. “Os funcionários trabalhavam de segunda a segunda, recebiam salários muito baixos, não podiam sair e viviam em condições insalubres. São diversos crimes que eles cometeram”, finalizou o delegado.

Quem tiver informações que auxiliem a polícia pode entrar em contato por meio do disque-denúncia 181 ou ainda pelo email delcom@pc.pr.gov.br. A identidade do denunciante será mantida em segredo.

 

 

 

Confira abaixo as fotos registradas pelas polícias, que integraram a operação:

Receba notícias no seu WhatsApp.

Leitores que se cadastrarem no serviço serão incluídos em uma lista de transmissão diária, recebendo no celular as principais notícias do dia.

Aécio Novitski

Idealizador do Site Araucária no Ar, Jornalista (MTB 0009108-PR), Repórter Cinematográfico e Fotógrafico licenciado pelo Sindijor e Fenaj sobre o número 009108 TRT-PR

Leia também

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo

Notamos que você possui um
ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.
A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.
Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.